#7 Hall da Fama e sugestão do dia: O Diário de Anne Frank

(https://pereirafctwo.files.wordpress.com/2013/01/dscf0020ed.jpg)



Hey galera! Ontem completou 70 anos que os prisioneiros de Auschwitz foram libertados. Eu particularmente admiro o povo Judeu, e em homenagem a eles, e a vitória daqueles que sobreviveram (tanto judeus ou não), faço este post falando primeiramente do livro (e diário real) O Diário de Anne Frank, inicialmente com a sinopse e depois minha opinião e um pouco sobre os 70 anos de Auschwitz.


'O Diário de Anne Frank', publicado originalmente em 1947, se tornou um dos relatos mais impressionantes das atrocidades e horrores cometidos contra os judeus durante a Segunda Guerra Mundial. A força da narrativa desta adolescente — que mesmo com sua pouca experiência de vida foi capaz de escrever um testemunho de humanidade e tolerância — a tornaria uma das figuras mais conhecidas do século XX. Agora, seis décadas após ter sido escrito, o diário é finalmente publicado na íntegra. A nova edição traz um caderno de fotos, além de vários trechos inéditos.
O livro reconstrói os tensos anos em que a família Frank viveu em Frankfurt, em clima de total anti-semitismo, a fuga da Alemanha e a vida no esconderijo, em Amsterdam. Com fotos e cartas inéditas obtidas junto a parentes e amigos, esta edição finalmente revela mais sobre a jovem Anne Frank, sobre sua família, o ambiente social em que ela cresceu, sua vida antes e depois da fuga e sobre seus últimos setes meses de vida — depois de ter sido traída, capturada pelos nazistas e enviada a um campo de concentração.
Conhecido em todo o mundo através do teatro, adaptações para televisão e traduções,'O Diário de Anne Frank', incrível documento humano, continua a chocar e a emocionar. Ele assinala passagens de uma vida insólita, problemas da transformação da menina em mulher, o despertar do amor, a fé inabalável na religião e, principalmente, revela a nobreza fora do comum de um espírito amadurecido no sofrimento.
'O Diário de Anne Frank' é um retrato da menina por trás do mito. Um livro que aprofunda e aumenta nossa compreensão da vida e da personalidade de um dos fortes símbolos da luta contra a opressão e a injustiça. Uma obra que deve ser lida por todos, para evitar que barbaridades dessa natureza voltem a acontecer neste mundo.
(retirado do site da Saraiva)


Eu devorei o livro em pouco tempo, o relato tão próximo de alguém que viveu o horror da guerra, e tão jovem é realmente tocante. O que achei mais triste é que ela morreu apenas um dia antes de Auschwitz ser libertada, se estivesse viva teria mais ou menos uns 86 anos e alguém que seria mais um testemunho emocionante, assim como outros que mostram que mesmo diante dos horrores que a humanidade pode fazer, ainda há sempre uma luz.



Informações sobre o livro:





Peso0.4050
Altura21.000000
Largura14.000000
Profundidade1.500000
I.S.B.N.8501044458
Código de referência8501044458
Cód. Barras9788501044457
IdiomaPortuguês
Acabamento1635
ANO2003


(fonte: http://www.saraiva.com.br/o-diario-de-anne-frank-edicao-definitiva-347296.html)





Sobre os 70 anos de Auschwitz:



Horror na 2ª Guerra Mundial

São Paulo – O mundo lembra nesta terça-feira as atrocidades do nazismo no aniversário de 70 anos da libertação do complexo de campos de concentração e extermínio de Auschwitz-Birkenau por tropas soviéticas em 1945.
O local foi construído em 1940 nos arredores da cidade de Oswiecim (Polônia) para ser uma prisão. No auge das atividades, o complexo se espalhava por uma área de 40 km² e era composto por 40 campos menores de extermínio. Na época, conta a fundação Auschwitz Museum, contava 135 mil presos.
Dias antes da chegada dos soviéticos, os oficiais alemães tentaram destruir as evidências que mostravam os horrores em Auschwitz. Evacuaram quase 50 mil pessoas, queimaram registros e explodiram as câmaras de gás e crematórios. Ao todo, sete mil presos foram resgatados e, atualmente, 300 pessoas que viveram no complexo seguem vivas. 
Auschwitz-Birkenau funcionou por apenas cinco anos, mas foi o suficiente para deixar uma assustadora marca: estima-se que 1,5 milhão de pessoas de diferentes etnias foram mortas, entre judeus, prisioneiros de guerra, presos políticos, homens, mulheres, crianças e idosos.
Veja nas imagens registros históricos e atuais de Auschwitz e conheça mais sobre este que foi um dos maiores campos de extermínio da 2ª Guerra Mundial. 
(fonte e imagens para visualização: http://exame.abril.com.br/mundo/noticias/libertacao-de-auschwitz-completa-70-anos-relembre-em-fotos)



Assim como eu. espero que tenham se sentido tocados com a história de Anne e de Auschwitz. Abraços e até mais!)




0 comentários