#Coluna da Marielle: Fabrício (capítulo 6)



   

   Depois do beijo, Jane se afastou de Fabrício, começando a tremer pela chuva e pelo nervosismo.
   - Você não pode fazer isso. E eu duvido mesmo que goste de mim, eu tenho certeza que é só porque eu te ignoro que está tão disposto a me conquistar, para que eu seja mais uma das que caíram na sua mão e foram descartadas!- Jane falava começando a dar pequenos socos em Fabrício, que a segurou contra um murinho perto deles.
- Jane, se acalma! Eu não sou o cafajeste que pensa.- conforme ele falava, a soltava e chuva parava.
-Não é? E todas aquelas meninas que você ficava, namorava, sei lá e logo tinham seu coração partido, ou eram enganadas para você chegar em alguém como fez com minha amiga.- Jane começava a chorar.
-Eu confesso que nem fiquei com todas, algumas só diziam isso para me terem no currículo delas, e se você nunca soube, desde a 7º série eu gostava de você, mas estava sempre com alguma amiga, ou sei lá, e só agora tive a coragem de chegar até você.
Jane secou o rosto, e olhou para a porta de casa.
-Vai embora por favor. Quero ficar sozinha.- e então olhou para ele.- Nunca mais me procure Fabrício.- Jane entrou em casa, e pela janela da sala viu que Fabrício demorou cinco minutos para ir embora.



   Na manhã seguinte, a mão de Jane disse que ela poderia ficar em casa porque estava muito gripada. Ao ser questionada do porque estava assim, Jane disse que fora procurar seu gato Thomas que saíra correndo atrás de um esquilo.
   Durante o dia, ela ficou na cama, tomando anti gripal, bebendo água e lendo. Na metade da tarde, pegou seu celular que estivera o dia na cômoda, se surpreendeu ao ver 7 chamadas perdidas: 6 de Clarisse e uma de Fabrício.

Mandou uma mensagem para a amiga dizendo que estava doente, Clarisse enviou uma breve dizendo: "Estou indo aí Jane." Um calafrio percorreu ela, que mergulhou mais um pouco nos cobertores. Um tempo depois, a mãe de Jane apareceu na porta do quarto:
- Clarisse está aqui querida, pedi a ela que fosse breve para você poder descansar.
A amiga entrou, com uma cara de dar medo em Jane.
-Oi Clarisse.-Jane falou.
-Como pode ficar com Fabrício? Porque fez isso comigo?
Jane se sentou.
-Ele veio atrás de mim. Acreditei que pudesse enganar ele para ele sentir na pele o que fez com ele.- ela falou tudo de uma vez, acreditando que a verdade não fosse piorar tudo.
-Haha, que ideia brilhante não é? Saiba que não funcionou porque ele foi ontem a noite em casa dizendo basicamente que você fez isso mesmo, me pedindo umas desculpas esfarrapadas e esperando que eu o perdoasse também por estar apaixonado por você.- ela apontou o dedo para Jane, que não se mexeu.
-Me perdoe Clarisse, achei que pudesse me vingar por ele ter te ferido.
-Parabéns Jane, conseguiu ferir a ele, e a mim muito mais.- ela se foi batendo a porta.



Jane explicou a história para a mãe, que ficou um tanto brava com a filha, mas como a paga veio com a decepção com Clarisse, ela não disse nada. Dois dias depois Jane voltou a escola, e Clarisse simplesmente a ignorou. O dia passou lento, e antes de voltar para casa ela ficou sentada em um banco na pracinha próximo a escola, o silêncio reinava até que ela ouviu passos,era Fabrício.
-Eu te segui. Você está chateada comigo eu imagino.
-O que acha? A minha melhor amiga agora me odeia e eu sou uma cretina que achava que podia me vingar de alguém.
-Não é cretina, só não teve uma ideia muito boa. E espero que me desculpe ok?
-Não quero falar agora, nem com você nem ninguém, quero ficar sozinha e pensar.
Fabrício não disse nada, e nem saiu, apenas colocou sua mão sobre a de Jane no banco.



0 comentários