#Popcorn Time: Atypical, série original Netflix




Atypical


     Atypical é uma das novas série do Netflix, e acredito que muitos de vocês já assistiram ou pelo menos já escutaram falar.
  O tema desde lançamento, de uma temporada (por enquanto), fala do autismo, mas não da forma como muitas pessoas poderiam pensar,ela engloba muito mais do que só o autismo, mas a vida da família e de como diferente do que a maioria pensa, tem pessoas com autismo que levam uma vida comum, também  tem os mesmos anseios e sentimentos de qualquer outro ser humano. A narrativa é feita a partir do personagem principal, o jovem Sam, que conversa com sua psicóloga Júlia sobre sua vida, emoções e mais recentemente sua vontade de ter uma namorada. O que para muitos rapazes seria uma “tarefa” fácil, para ele se torna um objectivo, onde para se alcançar exige estudo,pesquisa, e conselhos,alguns não muito comuns de seu amigo Zahid, além de situações um tanto tragicômicas no seu caminho para conseguir ter uma namorada. Mas a decisão de Sam afeta toda a família, já que a mãe Elsa , não tem confiança de que seu filho autista possa lidar bem com um relacionamento amoroso e com uma vida independente, já que ela mesma se dedica exclusivamente a cuidar do filho e da casa, se sentindo a única capaz de proteger ele. Enquanto isso , Casey, a filha, se vê com decisões importantes a respeito do futuro, e se preocupando com o irmão, com quem ela se preocupava na escola. Já o pai, Doug, no início é aquele personagem que se sente deslocado na família, mas que ao longo da mesma melhora seu relacionamento com os filho enquanto a mulher entra num conflito pessoal.
A série é super divertida e emocionante, e vale a pena assistir. Confesso que a personagem da mãe ganhou meu desafeto, porém num contexto geral aborda tanto o autismo quanto às relações de amizade e amor de modo bem natural e atrativo.


Marielle Pereira Cardoso
Insta: @mcardosoescritora


0 comentários